Teu mal escondido

rudes nojeiras tais
se evocam no cerne
da existência
é a coerência corrosiva
uma contradição assertiva
vontade maldita
de pular e beber
das águas do pecado
mesmo quando conhecido
que das fontes termais
emana veneno

hoje se faz tão mais
acessível conseguível
alcançável praticável
perigosamente seduzente
sem descobrir e cair
é tão natural
o pecado sexual
das telas que estão nos bolsos
a paga só se faz desembolso
ninguém imagina que você no seu terno
pode queimar eternamente no inferno

se fosse ciência
a pornografia
seria a geografia
que leva
tua mente ao vício
tua vida ao fracasso
tua família à ruína
teu trabalho pro espaço
teu prazer ao insaciável
teu gosto ao indiscutível (só pra você)
na moral deplorável
todo corpo é substituível

se tu te deixares levar
pelo que em teu âmago habita
ó, triste fado, enganar
é no que o doce engodo se habilita
é a armadilha de escuridão sem fim
olhe ao horizonte
acima
deseje na ardência
de tua alma
a Luz que vem dos céus

Natanael Melo