Rogo

Senhor,
blasfemam-Te,
mas não como
outrora.
Parece que,
agora,
acentuadas
se fazem
as vozes
que negam
Tua existência.

E mais se aprofundam
nos prazeres,
nas grandezas,
no que o âmago apraz
e do fogo se aproximam;
lhes importa
o agora e
somente
o agora.
O pecado os faz
cegos serem.
De Ti necessitam.

Quando
hás Tu
de voltar?
O pedido
que nos
incendeia
é
“volte logo”.

Natanael Melo