Tantas águas

Aos oceanos
Se cada gota se destila
E são tantas águas
Turvas e transparentes
Por que não ser contente
Com a chuva diurnal?

É preciso ao marinheiro
Navegar pelos tantos mares?
É sede tamanha
Que não se sacia
Com a mais límpida
De todas as águas?

Exóticas águas
De transcendentes cores
E o coração
Não se apazigua
Ao chão dos mares
Ossos e barcos conversam

Há uma Água que do céu veio
Água que é Eterna
Água que sara e dá vida
Água que gratuitamente diz
Venham a Mim
e nunca mais tereis sede

Natanael Melo