Trino

Ó, dualidade dicotômica
de opostos, antônimos, binários,
entre certezas e contrariedades.
Nisso de ir e vir,
chorar de rir e condoer,
ser menos ou mais,
lembrar e esquecer
do tudo ou nada,
seco e molhado,
sim e não,
passado e futuro,
dia e noite,
longe e perto,
início e fim.
Entre todos,
e e/ou ou estão.

Úmido, parte,
talvez, presente,
tarde, o laranja no céu pintado por Deus
quando não é dia nem noite,
o meio do caminho.
O entre triangular
desmascara, desvenda, manifesta
que dois são três, mais.
Já foram, são ou serão.

A existência espelha
traços de Quem a criou.

Natanael Melo